02 fevereiro 2007

Apontamentos

# Trafego nu entre as esquinas da minha cidade. Se visassem o que tenho dentro, certamente eu trafegaria numa cidade de cegos.

# Ele investiga minhas carnes. Deus queira que descubra.

# Ontem nasceram-me lágrimas: esta violência líquida.

.# Tenho palavras que abrem meus poros. Deixam-me indefeso. Indeciso.

# Quase sempre acredito no que me dizem. Se o dito vier com saliva e suor, sou criaça, semente, azulmanhã.

# O silêncio é um osso entre meus ossos.

Rubens da Cunha

5 comentários:

Claudio Eugenio Luz disse...

Rapaz, apontamentos pra lá de pertinentes.O primeiro é demolidor!

hábraços

Ana disse...

Entrei em sua casa. Fiz-me hóspede.

Valéria disse...

suas palavras despem... beijo

Hermes Bernardi Jr. disse...

Extremos, secos e de alvos precisos teus apontamentos.

CeciLia disse...

Rubens,

ando te lendo às avessas. Gostei demais destes apontamentos teus. Também acabei de ler tua cr6onica sobre a violência. Sem palavras, né? Preferia que a barbárie acontecesse só entre as linhas que escrevemos. Beijo,