16 março 2006

De safra mais antiga...



O DESPREZO – SINÔNIMO DO ESQUECIDO

I
Senhora de pernas débeis,
a memória pouco suporta
caminhar nos estradões
inconfessáveis do sentir.

Propícia a tropeços,
fraturas e miragens,
é preciso dessendentá-la
antes que seque.

Antes mesmo que os ossos peçam,
é preciso descansá-la
à sombra do desprezo.


II
Menoscabo é caber menos
nos odres da lembrança.
Ser decomposição.
Deveras podre se pouco visto.

Conter-se, às escondidas,
na verdade incontida
daquele a quem desimportâncias
coabitam em disfarce.

Menoscabo é acabar-se.
É trazer atrás da máscara
somente rumores de rosto.

III
Incluir nos intermeios
da cabeça, não só a incúria,
totem abstrato do desapego,
mas toda a sorte de espera.

Agüentar nos ombros
o pesar vicioso da mudez,
como se de escombros
fosse densa a carne.

Ter nos eitos incinerados
da alma, não mais que a alma
de roedores pequenos e mortos.


IV
Desprezar: doar-se em
viagens no desconforto
da razão. Ser Visagem.
Assombração plena.

Imprecar esquecimentos
nos corredores da dor.
Carregar correntes. Tormentas.
Sancionar sustos à pele.

Descrer em horas e orações.
Transitar inferno em todo
menosprezo que não sabe rezar.

® Rubens da Cunha
Ilustração: Gary Kaleda

6 comentários:

branco disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Mendes Ferreira disse...

_________________________doar-se!


__________assim!



bom fim de semana.

bjo.

p.s.(gostei de o ver em Plingrafias....um blog Fabuloso...)

Valéria disse...

poema aflito...doído...doloroso... como o desprezo
um beijo

douglas D. disse...

palavras que nos mastigam...lentamente.

TMara disse...

ai hospedo hospedo pq este texto-poema não é de se ler assim, à 1ª, como quem bebe e saboreia água da fonte.
Como tenho k voltar, cá me hospedo. Bom f.s. Bjs e :)

marcia cardeal disse...

De passagem por suas paragens, gostei muito! Voltarei. Beijo.