13 janeiro 2006

C. Ronald

Livro: Como Pesa!


Não sabes disso,
nem a pedra dominada pelo musgo.
O dia volta com freqüência proibida
e sempre transgredida.
o “globo da morte”, exibição de impacto
no meio da platéia informe,
um ônibus e um automóvel cruzam o século
na maior velocidade. Todos,
todos os arrepios virgens
do microscópio te levarão de vencida.
Humano é o pior vocábulo.
Esconde-se no porão das igrejas
muitas coisas difíceis
para cérebros de anjos e úteros de viúvas.
Iguais em tudo. Quase!
Mas nunca o quilate dos ossos.
Certamente alguém virá para lacerar a
mínima inocência, prevenir os dorminhocos da
Odisséia
e se ainda possível enterrar
nos cegos as unhas.


C. Ronald

4 comentários:

TMara disse...

li, mas estou triste pq outra amiga k fiz nestes espaços há mais de um ano nos vai deixar, pq n/ está bem pq.. só ela sabe. É a BlueShell, conheces? E A Isabe, tmb n/ sei dela nem consigo comentar, não estou autorizada....
Desculpa, deixo-te um bj:)

hfm disse...

Como gostei de ler!

Fernando Palma disse...

Nunca tinha lido algo tão diferente. Poesia inteligente.

[]´s!

Dona Estultícia disse...

Enquanto isso alguém nos enterram palavras...Uau! Bjos.