04 janeiro 2006

Autores Catarinenses: C. Ronald


C. Ronald, é o mais difícil poeta para se adjetivar.

Não há qualificação que o comporte. Sua poética é uma selva de sensações e significados. Num primeiro momento, é como se fôssemos estrangeiros em nosso próprio idioma. Ler C. Ronald é ir inventando, descobrindo, tateando pouco a pouco o mundo poético criado por ele. É muito fácil desistir de sua escrita, mas uma vez embrenhado nesta selva, as marcas serão indeléveis.

Para C. Ronald “a poesia é a forma da mente, é o milagre que a mente desfruta”

É um poeta em constante ebulição. Sua obra está nos seguintes livros
As Origens – 1971
Anua – 1975
Dettagli dell’Assenza – 1975
Dias da Terra – 1978
Gemôneias – 1982
As Coisas Simples – 1986
Como Pesa! - 1993
A Cadeira de Édipo – 1993
Cuidados do Acaso – 1995
Todos os Atos – 1997
Ocasional Glup – 1999
A Razão do Nada – 2001
Os Sempre – 2003
---
Como se trata de uma poética muito especial, não vou concentrá-la num post apenas, mas vou espalhá-la ao longo do mês. Janeiro será o mês de C. Ronald aqui no Casa de Paragens.
Comecemos, pois:
Livro: As Origens

A Dádiva

Eu te abraço lágrima vazia
não estás com os outros estás com o homem, com a espiga
que muda de sala
adormeces quando a ágil nicotina dos faróis
evapora com a tragédia
Usamos a tempestade sem prever a raça de insinuações
cerzidas após a guerra
Tu és a indulgência nesse campo ensinado e há
um incêndio além das janelas
um pássaro inquebrável pousa no pequeno
confessionário de erva agora
somos filhos da estação nessa paz.

6 comentários:

Valéria disse...

virei mais neste Janeiro...virei mais...um beijo

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Belo poema.


Abraços do CC.

petitechine disse...

o tempo gosta de não morrer
a cada 1º de Janeiro

Valéria Freitas disse...

belíssima escolha para janeiro, Rubens. meu mês preferido. poético e pórtico também. obrigada pela delicada visita ao meu velho novo espaço. Valéria Freitas

leila disse...

Espalho meus olhos por aqui, com calma, novos caminhos em janeiro. E lá há sempre um janela aberta.
beijo.

Cármen Neves. disse...

Boa tarde!
Tenho guardado desde 28.10.1997 o jornal, "Diário Catarinense", onde fala do lançamento do seu livro " Todos os Atos".Chamou-me atenção a forma irreverente do mesmo.
Um abraço e parabéns pelo post.
Cármen Neves.
www.carmenneves.prosaeverso.net