08 setembro 2005

Confissão - (só mais um de metalinguagem)

Verbo dos inícios: cântaro.

pensar melindres:
escusa casa de si.

Ser o que labirinta
entre vencidos.

Ser fecho de intrigas,
entregas no latir do poema.

Ser pai da palavra:
outra moeda,
cara de cobre,
cobrindo as vergonhas
com as mão nuas.

Corroer o corpo minado.

Ser pétala da palavra:
estrume,
farelo de pedra,
raiz inculta.

Ser mãe da palavra:
matriarca do desaforo,
do desafogo.

Levantar o vestido
e alçar por entre as pernas
o sexo púnico do verso natimorto.

® Rubens da Cunha

2 comentários:

Dona Estultícia disse...

Uau! É isso. Só isso. Tudo isso. Abs.

Claudio Eugenio Luz disse...

Olá, as sutilezes das palavras estão escondidas em seus contextos.

belo!!

hábraços