06 setembro 2013

é tarde

lá fora, homens britam meus ouvidos
agitam seus corpos de pedra e fala

aqui, silêncios
breves pedaços de canções e piadas
alguma dor na espinha,
ou no espinhaço,
conforme o dizer da avó

lá fora, a tarde é uma fêmea atrasada
aqui, o homem que me tornei
sangra e salga memórias

traduz bestagens
chora um pouco
vulgariza-se

em suma,
talvez durma, talvez suma

5 comentários:

Clotilde Zingali disse...

seu, seu... adorável homem comum :)
saudds

natanael disse...

Posso divulgar o seu blog no meu face ou no meu blog paixaodefausto?

felipedamo disse...

"bestagens" tem tudo pra se institucionalizar nesses dias estranhos

Elimacuxi disse...

Tão lindo, tão lindo, que tive que compartilhar.Obrigada, Rubens, por essa beleza...

Vieira Calado disse...

Talvez,
num interessante e esbelto poema!
Um abraço!