03 julho 2008

Série "casais" - Passeio

Vai ser bom, caminhada, ar puro, nós estamos muito sedentários, e eu estou um pouco acima do peso.
Eu disse que sim para não ter que explicar a ela por que tinha rido, além disso, ela não saberia o que é auto-engano.
Agora, estamos aqui caminhando, tentando voltar à estrada principal onde deixamos o carro. Perdidos, claro, estamos perdidos. Engraçado é que ela não reclama. Eu me excito ante um pensamento vil: matasse ela aqui, quem saberia? Matava e pronto. Olho o imenso corpo dessa mulher e me excito mais frente a outro pensamento vil: eu é que vou me matar, afinal como esconder essa coisa gigante, olha isso? E quer andar de mão dada. E não me desgruda nunca.
Vamos por ali, a estrada é do outro lado daquele morro.
E seguimos, ela pesa sobre os arbustos, eu tenho pena dum pé de mata-pasto. Pobre planta, aleijada para sempre. Ao nosso redor apenas uma capoeira sem fim. Mas eu podia matar. Podia sim. Mas com o quê? Só se a gente retornar noutro dia, daí venho antes, trago as ferramentas, quando passar por aqui, pego a pá, meto na cabeça dela, já abro o buraco e pronto, me livro da elefanta. É um bom plano, pena que depois de hoje, dessa andada toda, ela não vai querer voltar aqui. Nem bonito esse lugar é. Ou eu podia voltar aqui pra me matar. Mas essa merda nem árvore tem pra pendurar uma corda, só esses pés de Silva, esses Paus de Chuva. Eu queria saber como a gente se perdeu aqui?
A estrada não deve estar longe.
De novo isso? Eu sei que a estrada deve estar em algum lugar perto daqui, gorda miserável?
O que você disse?
Eta! que ela ouviu, nada amor, tava xingando um espinho que me espetou a canela. Um espinho gordo. Está anoitecendo, coisa estranha, a gente não andou tanto pra dentro do mato assim pra se perder. Entramos naquela estradinha, seguimos até o alto do morro, depois descemos, demos uma caminhada na beira do rio e voltamos. Você não acha estranho a gente se perder aqui, num lugar tão sem graça? Ela me olha, tem um sorriso fixo na cara.
Não, não acho estranho. A estrada deve estar ali perto. Vamos andar mais um pouco.
Por que ela está rindo? Eu já passei por aqui. Esse é o mata-pasto aleijado. A gente está andando em círculos.
Não, a gente não está. A gente está indo em direção à estrada.
Escurece, a estrada não chega, tento insistir para que a gente pare, descanse, entenda o que está acontecendo. Por que não saímos do lugar, deste lugar? Não me ouve mais, nem desgruda mais da minha mão.
Vem, é por aqui, ali do outro lado fica a estrada. Não dorme não, não senta não, caminha, caminha, porque não devemos estar longe da estrada...

7 comentários:

Ricardo Valente disse...

A GORDA gosta de ti. Valoriza a gordura, talvez não entupa tuas artérias, que pulsam, sabia?

Anônimo disse...

...assassina! \o/

nowaitwait disse...

"trago as ferramentas" haha!

adorei esse!

passar por aqui é sempre uma surpresa boa!

o.

Andréa Motta disse...

Sempre que venho aqui me inspiro!
vou transforma-lo em meu muso!! (risos) - com o devido respeito!! (mais risos).

Rubens, foi uma grande satisfação conhecê-lo pessoalmente,
espero conseguir aquela data para o lançamento aqui.

beijos
Andréa

Anônimo disse...

un beso..

ana

Alex Pinheiro disse...

hahaha,,, que rio pois a desgraça inda não me selou,,, hahaha
Que gorda maldita! hahaha
A triste cena social! rs

Abraços e provocativas invenções!

Í.ta** disse...

ai que agonia!!

e isso é o bom do texto.

parabéns!

abraços