02 junho 2006

Instruções

clausura e sigilo

a febre se aprende pela seda

remontar a voz no vidro da boca

esperar a culatra do coice

ventar-se cais e escureza

ter o que perder

® Rubens da Cunha


9 comentários:

Anônimo disse...

Seria depois deste processo que o poeta passa a ganhar algumas migalhas?
Saudações poéticas - P.Vigu

[jb] jotabê disse...

estou com problema em "esperar a culatra do coice"

tem o manual completo?

[jb]

Anônimo disse...

Rubens, suas construções poéticas sempre me impressionam muito: achei esse arremate fantástico!

Lia Noronha disse...

Lindas palavras...fazem pensar!
Bom fim de semana e abraços carinhosos.

Cláudio B. Carlos disse...

Oi!
Abraços do *CC*

Anônimo disse...

ô poema precioso ... produziu imagens lindas em mim. bj e boa semana.

Anônimo disse...

ai Rubéns...esta profundeza de canion... que ecoa...ecoa...ecoa...e não para...
caramba viu!
um beijo

Anônimo disse...

Perfeito, Rubens, Cada verso, cada palasvra. Sem mais pra dizer.

Saudações

Anônimo disse...

Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»