20 janeiro 2006

C. Ronald

Livro: Cadeira de Édipo


Uma folha em branco quando nossa oferta já está
escrita. Alguém virado para o revide
não surpreende a noite. Dá igual claridade ao dia
por todos os acontecimentos do homem.
Ser só na própria espera como ainda são os bichos.
Datas apagadas
e nomes esquecidos
quando há uma parte maior do nosso amor
fora do infinito. É quando o mundo investe
contra a permanência do luxo. Por que
não tentamos como vivos um outro número
de telefone? Certamente nos atenderiam santos
e anjos por cima do próprio brilho.

7 comentários:

petitechine disse...

dói..

amina ruthar disse...

...é, a nossa folha branca já veio retinta.
Sobram-nos algumas linhas, o que fazer delas o grande mistério, ou encruzilhada. Sei lá!
Abs, Amina

paloma disse...

a janela está no interior

relampago disse...

repito-me.


muito bom.
b.e.i.j.o.

Celso disse...

excelente este.

saudações

Vinícius Mendes disse...

AINDA IREI VISITAR ESTA TERRA... E CONHECER DE PERTO ESTES POETAS!!
ABRAÇOS, VINICIUS (BRASIL).


http://inventariointimo.blogspot.com/

Valéria disse...

"uma parte maior do nosso amor fora do infinito" e eu que gosto tanto do infinito!
um beijo