13 maio 2009

Paraíso, ou o amor pode ser uma piada

Aninha se engraçou com o pedreiro Iso. Mãos fortes, pegadoras de tijolos e carnes fêmeas. À noite, toda a vizinhança pode ouvi-los. É um corre corre: ele dizendo eu vou te erguer feito parede perfeita; ela, rindo, geme, pede não pedindo: para Iso, para Iso...

7 comentários:

Camila Pimenta disse...

para Rubens, para Rubens...

ahahahhhahahahahh

bjos Poeta

Daros disse...

muito bom :]

Cris.e disse...

Um "para Iso" insano, e a melhor "cantada" de pedreiro, haha

Anônimo disse...

todo joinvillense tem um cearense dentro de si...hehehe


felipedamo

Regina Carvalho disse...

Como dizem meus conterrâneos, o amor é uma naba!
bj

Conceição disse...

delicicoso o conto-poema.
E o amigo nada tem a agradecer. Bons textos e blogs devem ser divulgados.
Bom f.s.
Bjs

clotilde zingali disse...

amei isso Rubinho. amei.