24 março 2009

1
ele
esquina de pedra

ela
enigma
barro barroco
em mãos cautas

2
ele
luz atarefada

ela
dobra
salmora verde
limo na fissura

1+2
poucos
parcos
vastos
vistos

10 comentários:

poemafilosofia disse...

Muito bom, belo, lindo, maravilhoso!!! Abração!

júlia disse...

antes de ser poema somos cavalo

Amanda disse...

adoro a tua escrita.

Adriana Versiani dos Anjos disse...

Rubens,

1+2 - Achei isso perfeito.
Um abraço,
Adriana.

Ricardo Valente disse...

Por motivo pessoal, acabei saindo do orkut e trocando o endereço do blog.
Não me adaptei no wordpress, retornando com poemaEfilosofia. blogspot.com. Abraço!

Hélio Jorge Cordeiro disse...

O
p
o
e
m
a
!

abçs

estrela polar (vulgo potel) disse...

vc ja ouviu falar num livro chamado Holocausto das fadas, sobre a hh?

Valéria disse...

sozinhos?
acaba que eu fico sempre vendo separado o que antes via junto...
fico triste com isso... gostaria de SER esperança...
beijo moço dos poemas que por vezes entristecem...

Priscila Lopes disse...

Huuuuuuuuuuuuuuuuuuuuum

excelente.

Um abraço, até breve... na Barca.

Lucius Kod disse...

tb estou sempre te acessando. em meus favoritos, honradamente. "..desnudo até o osso..." (HH)