22 maio 2007

Varizes


Estreita

a vida de alguns

variza pernas



tudo é parcimônia

cerimônia de escravos



se falta-lhes alforria

sobra-lhes o sangue

engessado dentro das veias




® Rubens da Cunha
Ilustração: Manuel Figueira



14 comentários:

Marconi Leal disse...

Rubens, ao contrário de boa parte dos poemas publicados em blog, os teus são muito, muito bons. Parabéns.

Guilan disse...

Rubens! Devo confessar que este seu poema confundiu o olhar do leitor (no caso, eu) à primeira vista.

Gostei. Escravo, mesmo liberto, convive com mazelas derivadas da corrupção moral e política.

Solução = bomba atômica

na sociedade.

Guilan disse...

Agora, um assunto à parte. Meu amigo Ítalo, que cursa Letras comigo, me falou sobre você, espero que já tenho sido alertado.. hehehe

Fiz meu blog recentemente... hoje, para ser mais exato. A maior parte de meus poemas e alguns contos feiosos estão publicados no deviantart, mas passarei a publicar minhas obras no meu blog e no deviantart também.

meu blog, e espero que dê uma passadinha lá - www.idiossincro-azia.blogspot.com

Guilan disse...

Será um prazer conhecê-lo primeiramente a partir de seus posts!

douglas D. disse...

vidas estreitas,
de margens firmes e precisas.
falta-lhes a distância.
sobra-lhes o destino.
abs.

A Gata por um Fio disse...

amo suas escritas, seus versos...

se falta-lhes alforria

sobra-lhes o sangue

engessado dentro das veias
bjaum...

Valéria disse...

mas não faltam veias nesse sangue que vc é!
um beijo

isabel mendes ferreira disse...

aqui sobra TALENTO!!!!!!!!!!!!!




beijo.

Thays Landers disse...

Ah...seu trabalho,sempre maravilhoso!
Pois bem,voltei para o blogque há tanto havia abandonado.

Agradeço,
Thays

Guilan disse...

aqui, não consegui encontrar outro espaço para enviar o meu e-mail

omguilan[@]hotmail[.]com

Ana disse...

Que bela obra... Manuel Figueira é catarinense, Rubens?
Bom voltar aqui, depois de tanto tempo.
AP
(P.S.: eu adoro Juarez Machado)

[jb] disse...

prescinde o texto de qualquer observação

apenas respiro lento para conter a sinestesia.

muito bom, rapaz

[jb]

Fabio Rocha disse...

Nietzscheanamente forte, amigo. Abraços

casoual disse...

Rubens, mandei-te já 2 e-mails. Mudaste o endereço?
Bem, agora a feira livro aqui já acabou.
Abraço.