05 dezembro 2005



















Ilustração: Edgar Degas




Sou mulher de apelos frágeis,
pêlos fáceis,
fêmea e banho.

Sou mulher de ontem.

Nos dedos: um resto de sêmen.
Nos ouvidos: um rastro de adeus.

® Rubens da Cunha

9 comentários:

Mendes Ferreira disse...

UF.....NEM SEI O QUE DIZER.....GOSTEI. MT. BOM DIA.

Ítalo Puccini disse...

lindo poema. Maravilhoso! Sem palavras...

sem mais,
Íta

Ítalo Puccini disse...

lindo poema. Maravilhoso! Sem palavras...

sem mais,
Íta

Dona Estultícia disse...

Como mulher, estatelada aqui com esse poema. Como leitora, agradecendo muito, muito mesmo pela existência dessas Paragens...Um beijo.

Valéria disse...

e um pouco de tristeza

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Aplaudo.

inquieta disse...

Rubens, estou estatelada lendo seu poema. Li e reli. É um deslumbramento amplo, geral e irrestrito!!!
Sem saber o que dizer a vc.

Claudio Eugenio Luz disse...

Meu caro, construiu uma imagem forte das mulheres que, em determinadas situações, esperam encontrar alguém, mas acabam apenas com um projeto de vida nas mãos.

.
hábraços,claudio

Daisy Melo disse...

putz!
vou roubar, poesia e ilustração pros "olhos" posso?

por falar nisso... me ensina como colocar esse contador que vc tem lá embaixo?

beijos

day