17 agosto 2005

Autores Catarinenses - Ernani Rosas



O Blog Casa de Paragens apresentará alguns autores catarinenses.
Por uma série de fatores, a literatura feita em Santa Catarina não alcança a divulgação adequada. Este blog fará a sua parte, amparando-se muito naquela historinha de auto-ajuda do homem na beira da praia devolvendo as estrelas-do-mar para o mar.
Começamos com Ernani Rosas.
As informações biográficas e os poemas foram retirados de "História do Gosto e Outros Poemas" Editora da UFSC. O Prefácio e o estudo sobre os poemas contidos no livro são de Ana Brancher.

"Ernani Rosas nasceu na então Desterro, em 31/03/1886. Residiu grande parte de sua vida no Rio de Janeiro. Viveu 69 anos. Publicou em vida: Certa Lenda Numa Tarde - Paráfrasis de Narciso; Poemas do ópio; Silêncios. (...)
Gago, homessexual, pobre, tratando de viver 'como poeta' (...) apreciando sobremaneira o álcool e provavelmente o ópio, afastado do convívio com os 'poetas maiores' de sua época, é de se supor as dificuldades encontradas por Ernani para publicar seus poemas"
Tanto que os poemas contidos na "História do Gosto" ficaram guardados em uma caixa na Academia Catarinense de Letras por mais de 40 anos, sendo resgatados para a análise e publicação do livro só em 1997.

Gostar

"Chegamos a gostar de coisas repelentes"
Charles Baudelaire

Num antro de magia e rúbido mistério,
onde a serpe, a coruja, o sapo tem poesia...
seja negra ou real, a lúgrube magia
em prol da nossa fé em seu áureo hemisfério...

A víbora e o morcego têm duplo poderio,
a áspide produz filtros cruéis p'rá morte:
e na ronda avernal desliza um negro rio...
de líticas visões n'uma obscura coorte!...

Gostando do que é velho e rude, amei-Te um dia...
oh! gasta barregã-ruiva, que ironia
emoldura de Luz na sombra luxuriante!

Vejo aquilo, que o olhar não vê e não namora!
vejo, não a mulher - o anjo, que lá mora....
a nevoenta visão da aurora inquietante ?!...

® Ernani Rosas

II

Dentro de Mim, um Outro urde negro destino,
urde a lenda da raça em torre de ilusão.
E é rival meu no sonho esse monstro divino,
fez-nos Deus duplo ser, tendo um só coração...

São dois gêmeos irmãos, que se beijam e se odeiam;
Filhos da mesma Sina e do mesmo Infortúnio
e erram sob um luar num distante Interlúnio
de saudades e veemência - ardores que a Lua anseiam...

Sou um misto de Luz e Deus... deliro arcano!
mistério e luar perdidos a seguir as Galeras
que esculpem em sonho o Além desfeito no oceano...

O ardor da carne anseia um outro ser, enfim!
sou o fluxo-refluxo eterno das quimeras...
que chora esse outro alguém, que já viveu por Mim.

® Ernani Rosas

5 comentários:

marcelo d´ávila disse...

Belíssima casa nova, Rubens. Nicho digno para tuas letras. Parabéns pelo blog e pela divulgação dos autores catarinenses. Espero várias estadias nesta Casa de Paragens. Grande abraço!

Joy disse...

Olá, tudo bem?
A biografia deste autor acabou me ajudando na facul.
Obrigada
Beijos

Anônimo disse...

bom comeco

Anônimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!

Anônimo disse...

Nice brief and this post helped me alot in my college assignement. Thanks you seeking your information.